AdWords

Nos últimos anos, o universo on-line trouxe muitas transformações para o nosso cotidiano, desde a vida pessoal até a profissional. 2018 não será diferente, ainda mais se você pensar que teremos dois episódios importantes: as eleições presidenciais e a Copa do Mundo.

Mas, afinal, o que esperar das mídias digitais? Como devemos atuar? No que podemos apostar? Para saber as respostas dessas e outras perguntas, vem com a gente desbravar as tendências deste ano que está só começando.

 

1- Investir e gerenciar

Recentemente, o Facebook formulou uma nova regra, ainda em teste, que irá priorizar postagens de amigos e menos de anúncios. Tudo leva a crer que o alcance orgânico (porcentagem de publicações que não pagam para atingir usuários) das empresas, que de tanto reduzir atualmente chega a 2%, irá cair ainda mais. Alcançar a audiência do feed de notícias, em 2018, precisará de investimento e gerenciamento, porque não vai bastar só pagar, será necessário que o conteúdo seja atrativo o suficiente para engajar as pessoas.

 

2 – Tem que ter conteúdo audiovisual

Você lembra quando foi a última vez que entrou em alguma rede social e não viu nenhum vídeo? Se ficou pensativo é porque, provavelmente, não lembra. Fato é que os conteúdos audiovisuais tomaram conta do on-line. Em 2018, a tendência fica mais forte. Conforme a revista Forbes, somente no Facebook meio bilhão de pessoas consomem vídeos todos os dias. Com toda essa quantidade é possível que os usuários fiquem saturados, no entanto o desafio para o marketing empresarial é aproveitar esta ferramenta da melhor forma, com estratégia e muita criatividade fora da caixa.

 

3 – Focar no mobile

Que o número de pessoas com smartphone cresce a cada ano você sabe. Mas já parou para pensar o que isso significa? Quer dizer que, ainda em 2018, 2,4 bilhões de indivíduos estarão ativos nas redes por meio do mobile. De acordo com a Forbes Brasil, cerca de 84% da receita do Facebook vem deste modelo de propaganda. Isso significa que a maioria dos usuários de mídias sociais estão apenas em seus celulares. Daí a importância de desenvolver conteúdos focados no formato mobile e entender os hábitos do consumidor, até porque o call-to-action (chamada para ação) pede um imediatismo que cabe unicamente na palma das mãos.

 

4 – Conteúdo efêmero é oportunidade

Depois da chegada do Snapchat, redes sociais como o Facebook e Instagram também entraram na onda do Stories, que fica no ar somente por 24 horas. Esses são os conteúdos efêmeros, pois criam senso de urgência no usuário, que tem apenas este curto tempo para visualizar as histórias. A estratégia é chamada de “fear of missing out” (medo de perder) e o objetivo é engajar as pessoas, que possuem aquele momento para vivenciar e compartilhar o conteúdo. Por serem feitos de forma rápida, a autenticidade é um valor que, se transmitido junto, pode gerar bons resultados, pois demonstra a realidade da empresa, estreitando o elo entre a marca e o público.

 

5 – Muito prazer, WhatsApp Business

Voltado para as pequenas e médias empresas, o novo aplicativo WhatsApp Business tem recursos para facilitar a vida dos empreendedores que atendem seus clientes pelo smartphone. Os principais recursos são:
Mensagens rápidas – é possível configurar atalhos para criar textos de agradecimento, mensagens para períodos em que você estiver ausente ou de apresentação.

Perfil – é o cartão de visitas para os consumidores que chegarem até você por meio deste canal de comunicação. Informações como endereço, site oficial, segmento, e-mail e horário de trabalho são campos que a ferramenta dispõe para o usuário.

Métricas – embora básico, dá para ver os dados sobre mensagens enviadas, entregues, lidas e recebidas.

Etiquetas – para facilitar a identificação de cada mensagem, o aplicativo tem uma função de etiquetas. Marcadores como “pago”, “novo cliente”, “pagamento pendente”, são algumas opções oferecidas, mas você pode adicionar novas etiquetas.

 

E você, de qual tendência mais gostou? Não fique só olhando, saia na frente e aposte no que há de mais atual em marketing digital para o seu negócio. Não sabe como? Vem falar com a gente! 

Coisa boa é começar o ano com um case de sucesso. No dia 27 de janeiro o Sabor de Chocolate fez aniversário de 25 anos, com um evento em sua loja que superou as expectativas de público e vendas.

A nossa parceria começou há pouco menos de um ano. Com reuniões mensais lá e aqui alcançamos bons resultados por meio do marketing digital de resultados e planejamento estratégico de conteúdo para mídias sociais.

Sempre focados nos produtos de comer com os olhos que são confeccionados diariamente na cozinha da loja, produzimos audiovisuais e fotos com gradual engajamento de usuários do Facebook e Instagram.

Atingir metas acentuadas exige atendimento qualificado e pronto para atender as necessidades de cada negócio. Para aproximar ainda mais o Sabor de Chocolate de seus clientes, criamos um canal direto via WhatsApp. Assim os apreciadores da marca ficam sempre por dentro das novidades deliciosas.
Até aqui, nossa missão foi cumprida: proporcionamos ao nosso cliente toda a visibilidade, no digital, que suas confecções de altíssima qualidade merecem, alavancamos as vendas e fizemos valer a pena o investimento feito.

Só temos mesmo é que comemorar. Um brinde a 2018 e que com ele venham muitas outras histórias de satisfação.

E você, como sua empresa está posicionada nas mídias digitais? Está preparado para as mudanças deste ano? Sabe o quanto podemos te ajudar a desenvolver o seu negócio utilizando as ferramentas de marketing digital? Não fique em dúvida, vem bater um papo que a gente te ajuda a encontrar as melhores soluções para o seu negócio.

Você já se perguntou por que os líquidos usados nas simulações de propagandas de absorventes são azuis e não vermelhos cor de sangue? Será que existe uma convenção imaginária que induz todos os publicitários a sempre usarem azul e não a cor real? Será que esse paradigma é algo natural ou será que há um interesse por trás da manutenção dessa visão envergonhada acerca da menstruação? A marca britânica de absorventes Bodyform decidiu ser a primeira do seu país (quiçá do mundo) a confrontar essa predisposição com a campanha #bloodnormal.

Nela, a partir de imagens muito bem elaboradas, a marca confronta o tabu que envolve a menstruação e utiliza um líquido vermelho ao invés de azul. Tem ainda uma cena com fio de sangue escorrendo de uma perna feminina durante o banho. Não é a primeira vez que a marca busca gerar essa reflexão: ano passado também lançou um vídeo com mulheres praticando esportes extremos como escalada e boxe, sujas de sangue, suor e lama. Geralmente a publicidade cria e se adapta bem aos tabus, tão bem que é difícil identificá-los. Quando uma empresa decide se expor a fim de gerar uma reflexão genuína, devemos depositar no mínimo alguma atenção ao tema.

O filósofo Michel Foucault (1926 – 1984) apresentou em 1970, durante sua aula inaugural no Collége de Franc e posteriormente no livro Ordem do Discurso, a análise da relação entre os discursos do nosso cotidiano e o poder. Segundo ele, é controlando os nossos discursos que as instituições mantêm o poder. Foucault apresenta a hipótese de que, em toda sociedade, a produção de discursos é controlada com o objetivo de: exorcizar os poderes e os perigos; diminuir a força de eventos incontroláveis; esconder as reais forças que materializam a constituição social. Os conceitos de Foucault serão aqui apresentados muito brevemente. Existem outros sistemas e classificações. A teoria não abrange as novas mídias digitais, onde os discursos não tem o mesmo controle. Entretanto, a mídia de massa e os grandes veículos são ainda os maiores influenciadores da opinião pública e controlam a produção de discursos com interesses bem específicos.

Segundo o autor, são excluídos aqueles discursos que vão contra a ordem vigente, sendo que esse controle ocorre em duas esferas: interna e externa. Na primeira, há os “procedimentos de controle e delimitação do discurso”, que é quando o discurso pode ser dito mas esbarra em processos internos de controle, que são três:

Comentário: tudo o que falamos já foi dito uma ou outra vez, porém de forma diferente, com outras palavras. Nós sempre estamos remetendo a outros discursos. Pode até parecer uma coisa nova, mas sempre vai haver uma repetição.

Autor: basicamente remete à limitação que o discurso tem de acordo com individualidade do autor. O autor nesse caso não é necessariamente quem produziu o discurso, pode ser alguém que reproduz um recorte desse discurso, por exemplo.

Disciplina: essa refere-se às regras e verdades preestabelecidas de cada área. Foucault usa o exemplo de Mendel, criador da teoria da hereditariedade, que não foi aceita inicialmente por chocar-se com as concepções biológicas vigentes. Obviamente, essas regras podem mudar de acordo com o tempo, o lugar, mas é difícil isso acontecer pois quem domina as regras pode controlar quem participa do discurso.

Existe, porém, as formas de controle externos que o autor chama de “sistemas de exclusão”. São principalmente nelas que se encaixam os tabus discursivos inerentes à publicidade. Também ocorrem em três sistemas:

Vontade de verdade: ter um discurso tido como verdade é também ter poder. Por isso todo mundo quer produzir um discurso aceito. Nem precisa ser de fato verdadeiro, se passar por tal já é suficiente. Sempre houve em nossa cultura uma dicotomia entre certo e errado, que foi responsável pela vontade de saber.

Oposição entre razão e loucura: geralmente aquele discurso que vai de encontro às demais interdições se classifica aqui. Segundo Foucault, “louco é aquele cujo discurso não circula como o dos outros”. É um discurso desmoralizado, sem crédito, assumindo em casos específicos uma áurea profética.

Interdições:é onde o discurso publicitário é mais afetado. Dentre as várias possíveis classificações desse sistema, Foucault especifica três:

– A palavra ou objeto: é aquele termo, imagem ou assunto inconveniente ou mesmo proibido. Tal como o sangue na propaganda de absorvente, sexualidade ou política, por exemplo.

– Ritual: há discursos que só podem ser proferidos em eventos ou circunstâncias específicas.

– Direito privilegiado: é o discurso que somente pode ser proferido por indivíduo(s) específico(s).

Essas barreiras influenciam na potência e abrangência do discurso. São elas que sustentam os tabus. Esses por sua vez prejudicam em grande escala a discussão necessária sobre as relações humanas (ou mesmo as próprias relações). Por que muitas mulheres têm repulsa do próprio sangue menstrual mas toleram o sangue oriundo de ferimentos? O estranhamento acerca do cheiro, da cor e da textura desse tipo de sangue indica que as mulheres o identificam como algo alheio ao seu corpo e isso influencia na forma como lidam com ele cotidianamente. O silêncio que cerca o assunto pode prejudicar a saúde das mulheres. Muitas vezes, e principalmente em países de renda média e baixa, não se falam com meninas sobre menstruação antes que aconteça pela primeira vez.

Trocar mais informações e experiências, por exemplo, evitaria a confusão entre um sangramento saudável e um sangramento anormal. O tabu é uma negligência e quem tem voz deveria falar sobre isso. É como ressalta o “pai da publicidade” David Ogilvy: “a publicidade se justifica quando utilizada em favor do interesse público — é uma ferramenta poderosa demais para ser usada somente para fins comerciais.”. Num mercado tão competitivo, parece difícil às vezes deixar de lado o interesse nas vendas, mas é uma responsabilidade que requer profissionais utópicos e realmente bem intencionados.

Vídeo da campanha:

Referências:

www.nexojornal.com.br/expresso/2017/10/19/Por-que-uma-marca-de-absorvente-decidiu-mostrar-‘sangue’-em-seus-anúncios

http://ideiasedesaforos.blogspot.com.br/2007/09/ordem-do-discurso.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Ordem_do_Discurso